domingo, 1 de agosto de 2010

Olhos embaçados

Gosto de ver as coisas com clareza, mas meus olhos embaçados já não mais me deixam fazer isso! Desde o dia que invadi uma área pura e inexplorada, algo tem vindo frequentemente distorcer minha visão quando tento focar naquele cantinho um dia perdido. E numa dessas conversas que a gente escuta pela rua alguém disse que um óculos poderia resolver o problema. Tentei vários tipos: grandes, pequenos, escuros, antirreflexo, aro fino, grosso, com e sem grau e tantos outros. Mas eles acabavam formando uma miragem e me guiando para o lado oposto, então eu me esbanjava de prazer, porém, quando tirava os óculos me encontrava perdido e sozinho num lugar escuro e medonho onde eu sempre jurei nunca pisar. Cansado desse paliativo resolvi procurar na internet, e lá encontrei a perfeição: lentes de contato. Sim, elas me guiariam pro meu aconchego e eu veria tudo com clareza novamente! Foi aí que algo inesperado aconteceu. Ela não parava no olho. Algumas vezes insistia em não entrar, em outras era jogada pra fora por alguma coisa, e quando, depois de muito esforço, ela decidia seguir as leis da estática, isso não durava mais que poucos minutos. Logo percebi que não seria uma boa solução e decidi procurar uma especialista. No consultório, depois de uma bateria de perguntas e exames, a oftamologista me receitou um colírio. Não tinha como dar errado dessa vez, eu recuperaria a clareza da visão. Pinguei. Ardeu. Passou algum tempo. O ardor não passou. Tentei abrir o olho. Não consegui. O desespero foi tomando conta. Tateei pela casa, encontrei o celular e agradeci por ter uma boa memória e ainda lembrar o telefone da médica. Ao relatar o que estava acontecendo ela sugeriu que eu lavasse ambos olhos com água corrente e suspendesse aquele (caro) medicamento imediatamente. Ainda tentei outros colírios, mas nenhum surtiu efeito. Um dia então, descontente por não ter solucionado meu problema, me encolhi num canto do quarto com um sentimento de inferioridade assustador. Uma tristeza avassaladora foi tomando conta de mim, e quando percebi ela já estava transbordando pelos olhos. Chorei. Foram longos minutos para que eu conseguisse me desfazer de todas as lágrimas. Depois levantei e fui lavar meu rosto. Foi então que, surpeendentemente, me toquei que estava enxergando perfeitamente. Eram as lágrimas que estavam embaçando minha visão e eu só precisava me desfazer delas para voltar a vislumbrar meu porto seguro. Caminhei até ele. Um sorriso aflorou e a felicidade tomou conta de mim.

2 comentários:

  1. Adorei o seu texto!!!

    Muito bom e muito verdadeiro.

    Muitas vezes o que embaça nossa visão são mesmos as coisas guardados dentro de nós mesmo...

    ResponderExcluir
  2. Ele e de mais,adorei..

    ResponderExcluir