sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Diário de um otário

Chego em casa. Já é tarde. Ligo para o delivery e peço um hambúrguer enquanto vou me praparando para um banho já que não aguento mais o cheiro daquele maldito perfume. Enquanto me dispo tento entender porque continuo usando o tal perfume. Seria pelo status de usar um cosmético francês? Bem provável... Também cogitei a hipótese de ter sido um presente da Camila, mas isso definitivamente não seria o motivo. Nos 8 meses que ficamos juntos não tive nenhum envolvimento sentimental, tanto que ela já está há dois meses em Paris e a única coisa que ando sentindo é uma liberdade imensa. Pensar na Camila me rendeu uma boa diversão durante o banho, só caí na real quando a campainha começou a tocar insistentemente anunciando meu jantar. Me enrolei rapidamente no roupão, peguei o dinheiro que já tinha separado e me deparei com um incrível X-tudo. Comi ainda de roupão, o sono vinha chegando, mas eu ainda tinha algo a fazer. Desde que passei no curso de Letras, há um ano e meio atrás, escrevo todos os dias um diário semi-fictício. É uma forma de aprimorar meus dotes literários, que diga-se de passagem já são acima da média, e ter um relato eterno sobre minha vida de estudante de graduação. Mas algo estranho aconteceu dessa vez... Fiquei algumas horas debruçado sobre o papel e não saiu nada mais do que lixo literário, então, pra não deixar de escrever, decidi fazer um relato do meu dia, como em qualquer outro diário. Talvez isso também seja arte. Acordei triste sem muita explicação, mas, mais triste ainda estavam as pessoas da faculdade... Incrível como todo mundo saía de perto quando eu chegava! No segundo horário teve a apresentação do trabalho. Glorioso! Estupendo! Todo mundo elogiou, mas o crápula do professor descontou metade dos pontos por pura inveja, já que não quis admitir que estava errado, mas paciência, não? No trabalho tudo saiu muito bem. Hoje foi dia de promoções pra muita gente. Ainda bem que não consegui, o outro setor é um saco... Minha chefe disse que tem grandes possibilidades de eu ir para um cargo gerencial no final do ano. Fico na expectativa. Chegando em casa tomei um banho rápido, vesti minha camisa nova, passei o tal perfume e fui pro bar de sempre curtir com a galera! Cheguei lá e não tinha ninguém. Esperei um pouco. Liguei para os caras. Alguns não atenderam, outros estavam com as namoradas e alguns estavam duros. Decidi pegar uma sessão de cinema e liguei pra algumas gatas. A Mariana aceitou. Ela sempre foi apaixonada por mim. Logo pensei que teria uma noite e tanto, mas ela ficou se esquivando de mim durante o filme e não aceitou o convite de vir pro meu ap. Nada que o bordel do centro não resolvesse. Dei uma passadinha lá para não perder o costume. Sempre fico em contato bastante íntimo com minha virilidade nessas ocasiões. Cheguei em casa tarde, como já disse, mas em êxtase por mais um dia perfeito. Cumprida minha obrigação vou desfaceler na cama agora se o vizinho parar com o ensaio irritante de guitarra!

Um comentário:

  1. hehehe, acho paia... voltei a tentar treinar sax. Doeu em mim

    ResponderExcluir